quarta-feira, 15 de outubro de 2008

PIEDADE

Ah, essa piedade... Ela vem precedida das marcas e golpes de loucos e vagabundos... Ou, pelo simples fato de eu pertencer a outro mundo. Piedade àqueles que omitem socorro ao seu próprio fruto, e ainda o discipa no vento. Piedade àquela enfermaria masculina, onde homens trocam a fala por um olhar distante; ou o silêncio pelo por quê de ter sido arrebatado de sua rotina, naquele instante... Piedade àqueles que, dentro de si, carregam um fardo de mágoas, e seguem vergados como uma árvore; vítima de forte ventania. Piedade as crianças que são lançadas aos rios e, ou, às margens das rodovias. Queira Deus que toda minha piedade contagie a todos, para um mundo distorcido, em harmonia. (Áurea Nunes)

Nenhum comentário:

Postar um comentário